sexta-feira, 29 de junho de 2012

O PODER DA ORAÇÃO - A FÉ AJUDA A CURAR

A edição de número 1859 da revista Isto É traz uma reportagem que diz que os cientistas já admitem que as práticas espirituais fazem bem à saúde. Segundo a reportagem, a medicina começa a incluir cada vez mais em suas práticas o instrumento da espiritualidade no cuidado com os pacientes.
Uma razão que explica o crescimento da importância do assunto está ancorada na observação clínica dos efeitos positivos da espiritualidade. O oncologista (médico que trata do câncer)  Riad Yunes, do Hospital do Câncer de São Paulo, é um deles. “Os pacientes que têm religiosidade parecem suportar mais as dores e o tratamento. Também lidam melhor com a idéia da morte”, observa.
Esse tipo de informação já aparece em diversas pesquisas. Muitas estão sendo feitas pelo médico Harold Koenig, da Universidade de Duke (EUA). Entre seus achados estão resultados interessantes. Pessoas que adotam práticas religiosas apresentam 40% menos chance de sofrer de hipertensão, têm um sistema de defesa mais forte, são menos hospitalizadas, se recuperam mais rápido e tendem a sofrer menos de depressão quando se encontram debilitadas por enfermidades. “Hoje há muitas evidências científicas de que a fé e métodos como a oração e meditação ajudam os indivíduos”, afirma Thomas McCormick, do Departamento de História e Ética Médica da Universidade de Washington (EUA).
Estimulados por essa realidade, os cientistas procuram respostas que elucidem de que modo esse sentimento interfere na manutenção ou recuperação da saúde. Há algumas explicações. Uma delas se baseia numa verdade óbvia: a de que quem cultiva a espiritualidade tende a ter uma vida mais saudável. “Os estudos comprovam que a religiosidade proporciona menos comportamentos auto-destrutivos como suicídio, abuso de drogas e álcool, menos stress e mais satisfação. A sensação de pertencer a um grupo social e compartilhar as dificuldades também contribuiria para manter o paciente amparado, com melhor qualidade de vida”, explica o psiquiatra Alexander Almeida, do Núcleo de Estudos de Problemas Espirituais e Religiosos do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo (USP).
Os cientistas, no entanto, querem saber o que se passa na intimidade do organismo quando as pessoas oram, lêem textos sagrados e qual o impacto disso na capacidade de se defender das doenças.  Acredita-se que isto esteja relacionado a mudanças produzidas pela fé na bioquímica do cérebro.
Para aprofundar as investigações, está surgindo até um novo campo de conhecimento, chamado de neuroteologia. Trata-se de uma área de pesquisa dedicada ao estudo da resposta das regiões cerebrais em face da fé e da espiritualidade. Segundo o neurocirurgião Raul Marino Jr., chefe do setor de neurocirurgia do Hospital das Clínicas de São Paulo “Práticas como a prece, a meditação e a contemplação modificam a produção de substâncias do cérebro que têm atuação em locais envolvidos no processamento das emoções”.
Outro que usa a ferramenta da fé é o cirurgião oncológico Paulo Cesar Fructoso, do Rio de Janeiro, integrante da Sociedade Brasileira de Cancerologia, mas ele alerta que “nenhum tratamento médico deve ser interrompido”, é importante que fé e ciência andem sempre juntas.
Os cientistas parecem que se cansaram que lutar contra o óbvio. Homens da ciência acabarão por comprovar aquilo que as pessoas que têm fé já sabem há muito tempo.

Fonte: Revista Isto É no. 1859

segunda-feira, 11 de junho de 2012

CORAÇÃO TEIMOSO QUE NÃO SE CANSA DE SOFRER!

Dia dos namorados é uma data muito sugestiva até para quem não tem namorado. Dá vontade de ter um, só pra jantar juntinho, tomar uma taça de vinho, sentar de frente na mesa, olhar nos olhos, ouvir uma música popular brasileira e depois dormir abraçadinho, neste friozinho gostoso. Enlaçar os pés. Tudo isso parece perfeito. Se fosse perfeito. Mas não é. E aí quando você vê a realidade “nua e crua”, descobre que se você tivesse um namorado, provavelmente ele iria substituir o seu vinho branco por umas boas dúzias de cerveja, iria reclamar da sua comida que, “vamos combinar” não é realmente lá essas coisas (mas ele não tem direito de jogar isso na sua cara). Com certeza iria desligar aquele sonzinho suave e ficar mudando mil vezes o controle remoto para enfim, sempre parar naquele mesmo canal de esportes. Sem contar que dormir abraçadinho com o seu “príncipe encantado” pode ser o mesmo que tentar dormir abraçado com um cavalo numa baia. Um embate a noite toda! Aff!
Divagações infundadas de uma doida solitária, tentando achar desculpas para sua solidão e que sente falta de tudo isso. Não! De tudo isso, não. De tudo aquilo. Aquilo que eu descrevi lá em cima. Mas realmente alguns homens (só alguns - não vamos generalizar), se parecem mais com isso aí...isso aí, no final do parágrafo anterior. E apesar de saber de todas as loucuras que uma paixão proporciona, meu coração vive me “pregando peças”. E é com ele o meu “papo” de hoje.
Querido Coração,
Aos 15 anos de idade você amou pela primeira vez, lembra? Ou melhor. Pela primeira e última vez. Dos 15 aos 19 anos você viveu sobressaltado com o único amor das nossas vidas. Ele era lindo, lembra? Estatura mediana, moreno, cor de canela, cabelos lisos e os olhos verdes. Pareciam um alvorecer no mato de tão verdes. E seus olhos perdiam-se em uma timidez incomum. Era meu primo (ou melhor, ainda é). E amor, ele foi o único. Até hoje não sei por que não deu certo. Talvez para que se fizesse perfeito. Por que o único amor perfeito é aquele que não deu certo e ficamos a vida toda sonhando com a perfeição que ele seria. Os amores que dão certo nunca são perfeitos. A convivência trata de eliminar a perfeição.
Ah! Mas você, coração, nada sabe de amor. Você é mestre mesmo é nas paixões. E quantas paixões, não é mesmo seu imprudente. Seis ou sete...no ano. No ano, né?? Seu inconsequente. E as paixões sempre foram meu grande mal. Elas demoram em média 24 horas para me arrebatar. Você acelera, parece que vem à boca, minha cabeça gira e...Puff! Lá estou eu apaixonada. Já era!
Quase sempre essas loucas paixões se vão como vieram. Da noite para o dia. E eu, profundamente infeliz, parece que vou morrer e tenho certeza que você está partido. E deixa eu correr para recolher os seus pedaços, não é, seu maluco? E aí como em um passe de mágica, aquilo que eu achei ser o meu fim já ficou para traz e lá está você...de olho em outra confusão.
O problema é que a cada nova aventura sua, mais cicatrizes vão sendo deixadas. Algumas profundas e já estou cansada de ficar colando os seus cacos. Eu preciso, coração, que você descanse (e parece que ouço você me dizendo: “vou ter a eternidade toda para descansar”). Veja bem, Você já não é mais criança. Não fica bem ficar batendo feito louco por qualquer sorriso bonito que apareça (Nossa! E o último era bonito mesmo, hein?). Bom! Não importa! Deixa isso para lá. Essa é uma cicatriz que ainda dói.
Vê se toma juízo, coração, porque não é só de paixão que você vive. Qualquer dia uma emoção forte como essas que você gosta de viver ainda vai fazer você parar de bater. E sem você, meu amigo, sem você eu não vivo.

domingo, 10 de junho de 2012

PAZ E JUSTIÇA

Neste tempo em que a sociedade global mergulha em profunda crise ética, cabe lembrar que nem tudo que é justo aos olhos da lei é justo aos olhos de Deus. Nem tudo que é legal (permitido pela lei), é ético ou moralmente correto. Por exemplo, o que é violência para você? E nós? Diante dela, o que fazemos? Sentamos de braços cruzados em frente a TV, ouvimos estas notícias, julgamos, condenamos e agimos como?? Não agimos. Só falamos.
É a violência da rua que te assusta? Os assaltos? As agressões? As brigas? As drogas?
Se observarmos nosso dia a dia, desde o acordar até o adormecer, na nossa família e na família do outro lado, podemos crer no que dizem as estatísticas: 80% das violências acontecem dentro de casa com grande repercussão nas crianças, que muitas vezes carregam as marcas pelo resto de suas vidas, tornando-se agressivos, violentos. Buscando saída nas drogas, no álcool.
A PAZ começa em casa. A Pastoral da Criança alerta: “É fundamental  que entendamos que é dentro da família que a pessoa começa a ser educada tanto para a violência quanto para a paz. É preciso criar UMA CULTURA DO AMOR no ambiente familiar.”
Em que condições estamos criando nossa família? Na cultura do amor e do diálogo? Ou na cultura do medo? Na base do “eu sou seu pai, eu mando aqui”, ou na base do “criança não tem querer”? É na cultura do grito ou na cultura dos argumentos lógicos que estamos criando nossos filhos?
São os roubos que te põem medo? São os assassinatos? Bandidos cruéis tiram teu sono? E pra você?? Bandido bom é bandido morto? É?? Se você pensa assim com certeza você seria um dos que gritaram para Pôncio Pilatos “crucifica-o”, referindo-se a Jesus Cristo. Você acha que estou comparando Jesus a um bandido do nosso tempo? Lembre-se: para os que crucificaram Jesus, ele era bandido. E o bandido que você condena pode ser inocente.
E a justiça de Deus segue outros caminhos. Jesus, o único que podia julgar e condenar na sua última hora dá ao ladrão do seu lado o PERDÃO e não a condenação.
E mesmo que o bandido seja bandido mesmo...e se ele fosse seu filho? Ainda assim você o queria morto? Não seria melhor se ele pudesse ser recuperado? Se ele enxergasse outras possibilidades na vida além do crime? Nós, na maioria das vezes nos deixamos levar pela falsa idéia de que a violência e a maldade já nascem com o ser humano. Quem é mal já nasce mal e nada vai mudá-lo. “pau que nasce torto, morre torto”, dizia minha avó. Desta maneira, nós contribuímos para perpetuar preconceitos, e... verdade, verdadeira, não “estamos nem aí” para o sofrimento alheio. Existe um profundo descaso em relação à situação dos presidiários no Brasil. Nossas leis se preocupam em punir e não em recuperar. O caos das penitenciárias brasileiras é tão grande que é comparado por especialistas a uma bomba-relógio que poderá explodir a qualquer momento. O sistema penitenciário agride, violenta psicologicamente e fisicamente os detentos. Os índices de suicídio nos presídios são assustadores. Homicídios acontecem a todo momento e os que retornam as sociedade saem  três vezes mais violentos do que entraram. Conflito gera conflito. Medo gera medo. Violência gera violência.
Que justiça estamos criando? A paz é fruto da verdadeira justiça e não de uma justiça de fachada. O apóstolo Paulo de Tarso, em Carta aos Hebreus, diz: "Lembrem-se dos presos como se vocês estivessem na prisão com eles. Lembrem-se dos que são torturados, pois vocês também têm um corpo" (Hb 13, 3). E para você, o que é paz? Deve-se lembrar que "paz" não constitui apenas a inexistência de guerras, mas é também o respeito aos direitos humanos, o respeito aos direitos do outro, é a prevalência da verdade sobre  a mentira, é o direito preservado a um trabalho digno para o sustento honesto da família, e o respeito ao ambiente em que vivemos e acima de tudo é abrir o coração para os ensinamentos estabelecidos por Deus.
Estamos vivendo a época da globalização. Em segundos falamos com alguém do outro lado do mundo. A internet rompeu todas as fronteiras de países e continentes. Já globalizamos a cultura, a ciência e até a crise. Só não globalizamos ainda, a PAZ. Basta mais um passo para efetivarmos a globalização da paz. O que falta é uma profunda transformação espiritual e moral. Trata-se de passo grandioso, mas é um só. Ele pode e precisa ser conquistado no interior de cada coração, família, comunidade, grupo social, empresa, governo e nas inter-relações entre eles. A paz só será possível quando forem reduzidas as inúmeras desigualdades pelo mundo, de modo especial as imensas desigualdades entre os muitos países pobres e miseráveis e os poucos países que concentram riquezas.
A Paz brota onde as sementes da justiça encontram corações, consciências e mãos abertos à partilha, à cooperação, ao respeito, à tolerância, à compaixão e à reconciliação.
A prática da verdadeira justiça deve ser um esforço permanente de promoção da vida. Somente essa justiça é que pode garantir a paz duradoura!

domingo, 3 de junho de 2012

FESTA DO SENHOR BOM JESUS DA LAPA – JARDINÓPOLIS SP – 100 ANOS DE RELIGIOSIDADE POPULAR.

Esta semana não publicarei minha reflexão costumeira do blog para poder abrir espaço à divulgação do centenário da mais tradicional festa de religiosidade popular de toda a região de Ribeirão Preto. A Festa do Senhor Bom Jesus da Lapa de Jardinópolis, A minha cidade. Segue texto publicado no Jornal “Notícias do Santuário”, para a divulgação do evento que se estenderá por todo o próximo ano.

PROJETO: “Celebrando o Centenário.
             “O ano de 2013 será marcante para a Igreja Católica do Brasil. Teremos a alegria de sediar a Jornada Mundial da Juventude que acontecerá no Rio de Janeiro em julho, e ainda teremos a presença de nosso pastor o Papa Bento XVI neste encontro ímpar com a nossa juventude católica de todo o mundo.
            Contudo, para a cidade de Jardinópolis, 2013 será ainda mais especial, isto porque a tradicional e querida festa do Senhor Bom Jesus da Lapa completará 100 anos de evangelização, comprometimento e caminho para a salvação de inúmeros homens e mulheres que aos pés do Senhor Bom Jesus recorrem a cada ano renovando sua fé e esperança no reino que é de todos.
            Assim sendo, a reitoria do Santuário Arquidiocesano do Senhor Bom Jesus da Lapa iniciou o projeto “Celebrando o Centenário” que colaborará na preparação deste momento de muita alegria para todos os romeiros e devotos. Aconteceu em maio a primeira reunião da equipe deste projeto, que no dia 06 de agosto deste ano iniciará a contagem regressiva para jubileu deste Santuário, novo diante de documentos canônicos, mas já experiente e amado na fé deste povo devoto.
            Nas próximas edições, o nosso “Notícias do Santuário” (N.S.), estará trazendo o que está sendo pensado e preparado, para que este centenário seja um momento verdadeiramente evangelizador e celebrativo para todos os que devotamente em romaria caminham para agradecer as bênçãos derramadas do alto da cruz sobre todos.Contamos com a ajuda Todos!”(Notícias do Santuário, Junho de 2012).

Entrevista com a Equipe Celebrando o Centenário.
N.S. - Quem faz parte desta equipe?
Equipe: Todos os coordenadores das equipes de serviço do Santuário Arquidiocesano do Senhor Bom Jesus da Lapa de Jardinópolis. Ou seja, o coordenador geral e de equipes de Liturgia, coordenadores das equipes de Batismo, de Noivos, da Renovação Carismática Católica, de eventos e dos Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão. Após esses primeiros contatos a ideia é estender os preparativos à participação de todos aqueles que prestam serviços e estão diretamente envolvidos com o dia-dia do Santuário e não ficar restrito aos coordenadores.

N.S. – Quando começam os trabalhos para este momento importante?
Equipe: Já começaram. Alguns membros desta equipe já estão se mobilizando em alguns dos preparativos mais urgentes, principalmente aqueles que precisam ser pensados e resolvidos com bastante antecedência para que tudo se encaminhe sem estresse e da maneira como os nossos romeiros fiéis merecem. 

N.S. – Existe uma agenda de eventos para preparar a cidade e a região para celebrar o centenário?
Equipe: Sim. E isso é muito importante. A Festa da Lapa é do município e principalmente de todo o POVO de Jardinópolis, por isso, é necessário que todos se mobilizem em torno deste momento especial na vida do Santuário. Para isso, existe a ideia de movimentar as pessoas, os jovens, os idosos e, quem sabe, as escolas do município para o aspecto histórico e cultural da Festa e sua importância na história da própria cidade de Jardinópolis. Pelo aspecto religioso, a ideia é integrar todas as paróquias da cidade nas festividades, bem como divulgar e promover a agenda de festividades do centenário em todas as cidades da região. Durante todo o próximo ano
estaremos visitando essas paróquias para contar um pouco da história da festa da Lapa ao mesmo tempo em que estaremos convidando a todos para participarem conosco do marco destes cem anos de fé e de evangelização.

N.S. – Qual a mensagem que a equipe gostaria de deixar para os leitores do nosso informativo?
Equipe: Esse é um momento de todos nós. Todos e cada um de nós temos uma história a contar a respeito da Festa da Lapa. Então, venha participar conosco. Se você tem uma história, uma foto ou só muita vontade de ajudar, entre em contato com alguém da equipe de serviço do Santuário. Você é muito bem vindo. Durante esse próximo ano, participe das nossas promoções e você estará contribuindo para que a festa do nosso centenário faça jus à importância que o Bom Jesus da Lapa tem em nossas vidas. 

Visite Jardinópolis na 99ª. Festa do Senhor Bom Jesus da Lapa de 28 de Julho a 06 de Agosto de 2012 e, faça conosco a Contagem Regressiva para a 100ª. Festa do Senhor Bom Jesus da Lapa de 28 de Julho a 06 de Agosto de 2013.